Ela vagava como que levada pelo vento...

Seus cabelos (os dela) faziam uma dança...

Dançavam no seu (no dela) próprio ritmo...


Seus passos eram leves, mas firmes...

Seu destino era lugar nenhum e todo lugar...

Seu perfume era a soma de todos mais um...

Sua voz doce, como mil favos de mel...


Ela cantava algo sobre todos nós...

Seus olhos eram como pedras preciosas de uma cor jamais vista...

Sua pele reluzente, semelhante aos raios do sol, refletidos sobre um lago calmo...

Todos os dias me pergunto, era real? Pois me olhava, mas não para mim...

Olhava através de mim, olhava meu ser...minha alma...


A grande questão é se a vi ou se sonhei...

Se a ver novamente, por favor, não me acorde...

A não ser que seja um acorde de violão...

publicado por mariofernando às 23:23